9 de jan de 2012

Tudo Aquilo Que Nunca Foi Dito - Marc Levy


Poucos dias antes do seu casamento, Julia recebe um telefonema do secretário de seu pai. Como ela já tinha previsto, Anthony Walsh – empresário brilhante, mas pai distante – não poderá comparecer à cerimônia. A ausência de seu pai em momentos importantes de sua vida da filha não é novidade paraJulia. Mas pela primeira vez, a personagem tem que reconhecer que ele tem uma boa desculpa: Anthony Walsh morreu. A ironia amarga da situação, com Julia forçada a adiar o casamento para enterrar o pai, faz aquela parecer mais uma das peças pregadas pelo destino na difícil relação entre os dois. Mas, no dia seguinte ao funeral, ela descobre, na forma de um enorme pacote deixado na porta de sua casa, que aquela não tinha sido a última surpresa de seu pai – e parte na viagem mais extraordinária de sua vida, uma oportunidade para que os dois digam um ao outro, enfim, tudo aquilo que nunca foi dito.
Reportagem sobre Marc Levy feita pela Globo, no site G1.com (Também disponível AQUI)
Autor de 12 livros, Marc Levy é hoje um dos romancistas franceses mais bem-sucedidos, com 25 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. No Rio para participar da 15ª Bienal do Livro, o escritor participa neste domingo (11 de setembro de 2011), último dia do evento, de mesa sobre a adaptação de obras literárias para o cinema.
Levy fala do assunto de cadeira, já que teve seu romance “E se fosse verdade?” virar filme estrelado por Reese Witherspoon e Mark Ruffalo em 2005. “Foi um momento extraordinário; ver seus personagens ficcionais ganharem vida na tela é algo fascinante, mesmo que eles não apareçam exatamente como você imaginou”, diz o escritor em entrevista exclusiva ao G1.
Mas a adaptação Hollywoodiana era a última coisa que o autor francês imaginava quando escreveu “E se fosse verdade?”. “Depois que virei pai, comecei a escrever uma história para meu filho. Nunca tinha pensado em publicar nada. Minha ideia era guardar o texto para dá-lo de presente a meu filho quando ele tivesse a idade que eu tinha quando imaginei a história”, conta Marc Levy sobre a criação do best-seller. “Era uma forma de dizer a meu filho que ele seguisse seus sonhos e nunca deixasse ninguém desanimá-lo.” Mas uma irmã de Levy gostou tanto do romance que resolveu encaminhar uma cópia do manuscrito para uma editora, que entrou em contato oito dias depois já com uma proposta. “Com isso pude largar meu emprego e me dedicar inteiramente à escrita. Hoje escrevo 15 horas por dia, sete dias por semana”, diz o romancista. Na Bienal, Marc Levy lança seu novo romance, “Tudo aquilo que nunca foi dito”, que gira em torno da conturbada relação entre uma mulher e seu pai, que morre pouco antes da cerimônia de casamento da filha. Levy conta que o novo trabalho tem referências autobiográficas. “O luto por palavras não ditas pode durar mais do que o luto por vidas perdidas”, comenta o autor, que diz ter sua principal fonte de inspiração nas “pequenas coisas do dia a dia” e na observação das pessoas ao redor. “Para ser escritor, é preciso saber ouvir e olhar”. Entretanto, perguntado sobre a dica que daria para transformar uma história em um best-seller, Levy afirma: “Não há segredo. Se há, não conheço”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário